Bexiga caída, cistocele ou prolapso da bexiga, é uma alteração que acomete as mulheres e que pode ter como causa, o esforço durante um parto normal/vaginal, constipação (prisão de ventre), levantamento excessivo de peso, tosse violenta, ou, qualquer tipo de esforço que cause tensão do músculo pélvico, enfraquecendo-o. Em parte dos casos, a bexiga caída pode gerar alterações secundárias, como incontinência urinária, necessidade frequente de fazer xixi e até a retenção da urina (quando ela não é totalmente liberada), explica o cirurgião urologista da Urocentro Manaus, Dr. Giuseppe Figliuolo.

Estima-se que cerca de 20% das mulheres adultas no Brasil sofrem com incontinência urinária ou prolapso genital, apontam especialistas na área. Mas, apesar de comum, o problema pode ser evitado. Entre as medidas indicadas, estão: a perda de peso; prática regular de exercícios físicos (especialmente os que fortaleçam a região pélvica, desde que feitos com orientação especializada); e, em casos mais específico, é indicada a fisioterapia como prevenção e também como tratamento, entre outros.

Segundo Giuseppe Figliuolo, os principais sinais de um quadro de bexiga baixa, são: sensação constante de peso na bexiga ou na pelve; aumento da frequência urinária; protuberância na vagina, sensação de bola na vagina; dor ou desconforto abaixo da barriga, fraqueza ou flacidez dos músculos do períneo (localizado entre o ânus e a vagina); perda involuntária de urina; dificuldade na liberação da urina e dor e irritação na vagina durante o contato sexual.

“Muitas mulheres têm vergonha de procurar um médico quando apresentam sintomas como esse. Mas, é importante dizer que, na maior parte dos casos, há tratamento para amenizar os sintomas da bexiga caída, promovendo a melhoria na qualidade de vida dessas pacientes”, destacou o cirurgião urologista.

Diagnóstico e tratamento

Além de avaliação clínica feita por médico urologista ou ginecologista, o diagnóstico requer análise da força muscular pélvica; exames de imagem, como ultrassonografias e ressonância magnética; estudos urodinâmicos para analisar qual a capacidade de reter a urina na bexiga; e cistouretroscopia, uma espécie de endoscopia realizada pelo canal da uretra.

“Já o tratamento, depende muito da condição e da idade da mulher, e também do grau do prolapso, que vai de 1 a 4, sendo 1 o mais leve e o 4 mais grave. Entre as terapias indicadas, podemos mencionar algumas mudanças nos hábitos de vida para promover a perda de peso, tratamentos para a prisão de ventre, fisioterapia especializada, alguns exercícios feitos com orientação profissional e até cirurgia com aplicação de tela para a correção. Neste último caso, a indicação inclui pacientes cuja bexiga chega até a entrada da vagina, o que pode gerar maiores transtornos”, destacou Figliuolo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode gostar

Psicóloga esclarece dúvidas sobre diagnóstico e tratamento do autismo

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) tem causas multifatoriais, genéticos e ambientais, conforme a psicóloga

SES-AM reforça importância do uso da máscara para prevenir doenças causadas pelos vírus respiratórios

Secretaria orienta que população não deixe de usar item básico de proteção, mesmo estando com esquema vacinal completo