Na manhã desta sexta-feira (1º/07), por volta das 6h15, policiais civis da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca) e da Delegacia Especializada de Polícia (DEP) de Manacapuru, deflagraram a terceira fase da Operação Acalento, que resultou nas prisões de cinco indivíduos, em cumprimento a mandados judiciais, pelo crime de estupro de vulnerável cometido contra crianças e adolescentes. As prisões ocorreram em zonas distintas de Manaus e do interior do estado.

De acordo com a delegada Joyce Coelho, titular da unidade especializada, a ação contou com apoio das equipes policiais da Delegacia Especializada de Polícia (DEP) de Manacapuru (a 68 quilômetros de Manaus), bem como das equipes da Delegacia Especializada em Crimes Contra o Idoso (DECCI).

Durante a coletiva de imprensa realizada no prédio da Delegacia Geral, no bairro Dom Pedro, zona centro-oeste, às 10h35, o delegado Alessandro Albino, diretor do Departamento de Polícia Metropolitana (DPM), destacou o trabalho eficiente das equipes policiais envolvidas no combate a crimes contra crianças e adolescentes no Amazonas.

“O resultado satisfatório de mais esta fase da Operação Acalento, coordenada pela delegada Joyce Coelho, contou, também, com os esforços das equipes da DECCI e da DEP de Manacapuru, que resultou na retirada de mais estes infratores das ruas. Nossas equipes policiais somam esforços para combater a criminalidade, especialmente contra nossas crianças e adolescentes”, disse Albino.

De acordo com a delegada Joyce Coelho, todas as prisões aconteceram após as vítimas comparecerem à unidade especializada para realizar as denúncias contra os suspeitos.

“As prisões de hoje são de grande importância para a especializada e o trabalho que estamos exercendo, pois uma delas só foi possível, após a vítima ter acesso a um folheto da campanha de combate a violência sexual contra crianças e adolescentes, e a partir disso, ela tomou coragem para dizer à sua mãe sobre o crime que vinha sofrendo”, ressaltou a titular.

Segundo a delegada Roberta Merly, titular da DEP de Manacapuru, a Operação Acalento, que também foi realizada no município, resultou nas prisões de dois homens, que têm parentesco intrafamiliar com as vítimas. “Os infratores em questão utilizavam-se da proximidade familiar com as vítimas para cometerem os atos libidinosos com elas”, esclareceu a autoridade policial.

Prisões

Uma mulher, de 32 anos, foi presa no bairro Cidade Nova, zona norte de Manaus, pelo crime de estupro de vulnerável praticado contra o próprio sobrinho, de 7 anos.

“Destaco a prisão dessa mulher, pois desconstruímos alguns conceitos e padrões que muitas pessoas também podem ter, de que apenas a figura masculina pode ser o abusador de crimes desse gênero”, ressaltou Joyce.

A delegada acrescenta, também, que a criança teria sido coagida pela infratora para que permanecesse calada, mas posteriormente o menino contou para sua responsável tudo que acontecia e que se sentia desconfortável por isso.

O outro alvo foi um homem, 30, autor do crime de estupro de vulnerável cometido contra uma filha de 5 anos, de sua ex-companheira. A prisão ocorreu no bairro Santa Etelvina, também na zona norte. “Durante escuta especializada, a vítima informou que teria sofrido os abusos, atos libidinosos, por parte do indivíduo diversas vezes”, explicou.

Mais um homem, 56, também foi preso pela prática do crime de estupro de vulneráve contra sua filha de 12 anos. A prisão ocorreu no bairro Santa Etelvina, ainda naquela zona. “As diligências acerca do caso ocorreram após a vítima nos informar que seu pai praticava o ato contra ela, desde seus 7 anos, e só teria parado quando a vítima tomou coragem de contar para sua mãe o que ele fazia”, frisou.

Em Manacapuru, foi efetuada a prisão de um indivíduo, 38, suspeito de praticar estupro de vulnerável contra suas sobrinhas, de 13 e 15 anos. Os abusos aconteciam desde que as meninas tinham 10 e 8 anos.

“Nossas equipes receberam a denúncia quando a genitora das vítimas compareceu à delegacia, junto com elas, para registrar a ocorrência, momento em que informaram que o homem oferecia dinheiro a elas em troca das práticas dos atos libidinosos, em seus corpos”, explicou Roberta.

Ainda no município, as equipes prenderam um homem, 40, pela prática do crime de estupro de vulnerável contra sua sobrinha, de 14 anos. Os abusos aconteciam desde o início deste ano. “A vítima chegou a nos confessar que os atos criminosos ocorriam em sua casa e na casa de sua avó, sob ameaças no momento em que o homem dizia para que ela não contasse a ninguém”, disse.

Ordens judiciais

Os mandados judiciais dos alvos da capital foram expedidos pelas juízas Careen Aguiar Fernandes e Rosália Guimarães do Plantão Criminal, nos dias 14, 17 e 29 de junho de 2022.

Em Manacapuru, as ordens judiciais em nome dos indivíduos foram expedidas pela juíza Scarlat Barbosa Viana.

Procedimentos:

Todos os indivíduos responderão pelo crime de estupro de vulnerável e ficarão a disposição do Poder Judiciário.

FOTOS: Mayara Viana/PC-AM.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode gostar

Polícia Civil divulga imagem de mulher que desapareceu em Manaus

Francione Pereira Laranjeira deixou o Careiro Castanho com destino a Manaus, no dia 7 de março, e não foi mais vista

Paredão auxiliou na recuperação de oito veículos durante o fim de semana, em Manaus

Além da recuperação de veículos, houve registros de prisões em flagrante e apreensão de armas

Sucatas são interditadas após localização de cobre ilegal na zona leste de Manaus

Em mais uma ação da Central Integrada de Fiscalização (CIF) em estabelecimentos…