Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed), realizou na manhã desta quarta-feira, 15/12, o lançamento da 3ª edição do livro “Histórias do Coração”, na biblioteca municipal João Bosco Pantoja Evangelista, no centro da cidade. A obra pedagógica, coordenada pela escola municipal Sagrado Coração de Jesus, localizada no bairro Praça 14, contou com a participação de 32 alunos do 3º e 4º ano do ensino fundamental, com historinhas sobre as lendas amazônicas pouco conhecidas, como da mandioca, açaí, rio Amazonas, poraquê, pororoca, mapinguari, entre outras.

(Fotos – Cleomir Santos/Semed).

A primeira edição foi lançada em 2019, com a participação dos alunos com a elaboração de poesias sobre a pandemia da Covid-19. O segundo livro, ano passado, abordou como tema os relatos de experiências dos alunos, ainda, seguindo as recomendações sanitárias, em razão da Covid-19.

O livro faz parte do projeto desenvolvido na biblioteca da escola e tem como objetivo estimular um processo de leitura permanente. Além de contribuir para uma análise crítico-interpretativa dos textos para que estejam continuamente atualizados frente aos desafios e perspectivas do mundo moderno/contemporâneo, ajudando-os a se tornarem sujeitos criativos na produção de textos e críticos na interpretação e compreensão textual.

O diretor do Departamento de Gestão Educacional (Dege), da Semed, Evaldo Bezerra, representou o secretário Pauderney Avelino e ficou satisfeito com o resultado dos alunos com o livro. “Quero parabenizar a escola, os pais, os nossos alunos envolvidos nesse projeto, que trabalhou a questão das lendas amazônicas, de deixarem o nome na história registrado em nossa cidade com essa obra. O trabalho desperta nos alunos o interesse pela leitura e escrita. Tenho certeza que esse trabalho estará fluindo muito bem na nossa rede de ensino e, futuramente, teremos nossos escritores amazonenses, partindo desse trabalho inicial na escola”, completou.  

(Fotos – Cleomir Santos/Semed).

Para o diretor da escola, Carlos Sales, o trabalho pedagógico realizado com os alunos conseguiu bons resultados com a 3ª edição do livro, mesmo com as dificuldades ainda enfrentadas pela pandemia.

“A principal importância dessa publicação trazendo para nossos alunos as lendas amazônicas foi o incentivo à leitura. O primeiro passo foi esse, o segundo foi fazer com que os nossos alunos tenham a oportunidade de conhecer as lendas, um pouco esquecidas por nós educadores e até mesmo pelos familiares. Nossa meta era eles terem o conhecimento de outras lendas, na qual tivessem essa possibilidade”, contou. 

A consultora de vendas Patrícia de Oliveira Santiago, 30, mãe da aluna do 3º ano Ellen Victoria Santiago Lemos, 9, ficou encantada pela participação de sua filha no livro com a historinha “A lenda da formiga saúva”. “A gente sabe que isso é muito importante para o incentivo à leitura. Ela poder estar se expressar com o mundo hoje em dia, isso é muito importante e agradeço muito à escola. Fico muito lisonjeada por ela ter sido escolhida como uma das crianças, porque é bom para os estudos, para quem vai ler e para ela”, comemorou.

(Fotos – Cleomir Santos/Semed).

Com a historinha da lenda “Matinta Pereira”, o aluno do 3º ano, Davi Lanhellas Rodrigues, 8, também participou do livro. “Foi uma experiência muito boa. Nós descobrimos novas lendas, como a da cobra grande, do pirarucu, e ninguém não sabia delas, porque estavam esquecidas. Nunca pensei que pudesse fazer parte desse momento com outros colegas, de fazer parte do livro”, disse.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode gostar

Professores e alunos da UEA gravam vídeo sobre obra musical escrita por Dom Pedro I

“Marcha Imperial” foi produzida na Esat/UEA e está disponível no canal do YouTube do Instituto do Piano Brasileiro

Boi Garantido lança toada tema “Amazônia do Povo Vermelho (Templo de luta)” dos Curuatás

O boi vermelho e branco defenderá a temática ‘Amazônia do Povo Vermelho’.

“Natal Itinerante” chega aos bairros de Manaus com a Companhia Metamorfose

Projeto estará nesta quinta-feira no Novo Aleixo; e na sexta-feira no Residencial Viver Melhor, no Santa Etelvina