Os reeducandos do Centro de Detenção Provisória de Manaus 2 (CDPM 2), que fazem parte do programa de ressocialização Trabalhando a Liberdade, da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), estão finalizando a última etapa dos serviços de roçagem e limpeza na sede da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), que fica localizada na avenida Ivanete Machado, Parque Dez de Novembro, zona sul da cidade.

As atividades iniciaram em setembro deste ano e serão concluídas com os serviços de pintura. Ao todo, seis detentos estão executando os trabalhos na associação, atividades que permitem que eles desenvolvam e coloquem em prática as suas habilidades enquanto cumprem suas penas.

As atividades iniciaram em setembro deste ano e serão concluídas com os serviços de pintura (FOTOS: Divulgação/Seap).

Para o secretário titular da pasta, tenente-coronel Paulo Cesar Gomes, os serviços, além de beneficiar os reeducandos com a diminuição da pena, também colaboram para promover o aperfeiçoamento de suas habilidades.

“Através deste programa, a secretaria está empenhada em ajudar a integrar os detentos à sociedade, visto que eles podem voltar a conviver com diferentes tipos de pessoas, que passam a vê-los não só como detentos, mas como cidadãos que estão fazendo a sua parte para a melhoria da sociedade”, ressaltou.

A Apae é uma sociedade civil filantrópica, de caráter cultural, assistencial e educacional, sem fins lucrativos, e é uma das maiores redes de apoio às pessoas com deficiência intelectual ou deficiência múltipla.

(FOTOS: Divulgação/Seap).

Atualmente, existem cinco Apaes distribuídas pelo estado do Amazonas, sendo uma em Manaus e outras quatro em municípios do interior: Itacoatiara, Tefé, Careiro, Autazes e Manacapuru. Elas têm como objetivo central promover medidas de âmbito municipal visando não só o desenvolvimento das potencialidades das pessoas com necessidades especiais, mas também a sua inclusão na sociedade.

De acordo com o diretor do CDPM 2, Magno Raposo, os trabalhos permitem ofertar aos reeducandos muitos valores sociais e éticos como a responsabilidade e o comprometimento.

“Quando a Seap proporciona isso, eles se sentem valorizados e passam a utilizar o cumprimento da pena de forma proveitosa, para eles e para o Estado”, enfatizou.

Frentes de trabalho – Além da revitalização na sede da Apae em Manaus, os reeducandos do Trabalhando a Liberdade estão atuando também em serviços de revitalização da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Itacoatiara.

(FOTOS: Divulgação/Seap).

Os trabalhos estão sendo executados por oitos internos da Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI), onde os mesmos estão executando serviços de manutenção no telhado, pintura predial e roçagem do espaço.

Redução da pena – Os detentos que realizam serviços e participam do Trabalhando a Liberdade podem diminuir um dia de suas penas a cada três dias trabalhados, conforme prevê a Lei de Execução Penal (LEP), Lei nº 7.210/1984.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode gostar

Aplicativo ‘Alerta Mulher’ atendeu mais de 60 vítimas de violência doméstica em 2021

Ferramenta serve como um canal de comunicação mais rápido entre a polícia e as vítimas

Saiba como se candidatar às 329 vagas de trabalho abertas em Manaus, para segunda-feira (10/01)

Vagas de trabalho foram divulgadas pelo Governo do Amazonas e Prefeitura de…

Wilson Lima inaugura oitavo Ceti da gestão, no Viver Melhor, e abre mil vagas na educação de tempo integral

Até o primeiro semestre de 2022, mais cinco Cetis serão inaugurados no interior