Conhecido pela diversidade de sua fauna e flora e pela grandiosidade de seus rios, o Amazonas é também um tesouro culinário, com uma infinidade de sabores únicos. São temperos, farinhas, plantas, frutas e peixes que encantam os amantes da culinária. Com a chegada das festas de fim de ano, esses ingredientes viram uma ótima opção para incrementar pratos especiais e dar um sabor diferente às confraternizações.

Pensando em quem vem conhecer o estado durante as festividades de fim de ano, a Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonastur) reuniu algumas iguarias que serão as estrelas das ceias dos amazonenses em um roteiro gastronômico imperdível!

Pirarucu de Casaca – Imponente e saboroso, o Pirarucu é considerado o maior peixe de água doce e surpreende pelo seu sabor sofisticado. Pode ser servido assado, grelhado ou ensopado, mas tradicionalmente é vendido seco e salgado, o que lhe rendeu a fama de Bacalhau da Amazônia.   Ele é o ingrediente principal do famoso “Pirarucu de casaca”, prato típico bastante consumido durante o ano todo, mas que durante as festividades ganha destaque nas mesas locais. 

A base do “Pirarucu de casaca” é uma deliciosa cama de farinha de Uarini (farinha amarela de mandioca, produzida no município de Uarini, a 565 quilômetros de Manaus), que é misturada a camadas de banana pacovan (banana-da-terra) fritas e pirarucu desfiado. Com essa base o cozinheiro pode deixar a criatividade fluir e acrescentar os ingredientes de sua preferência, como verduras (cebola, pimentão e etc.), batata e o que mais a imaginação permitir.

Em Manaus, o prato pode ser encontrado ao redor do Largo São Sebastião, no Centro da Cidade, onde também se encontra o exuberante Teatro Amazonas.

Creme Cupuaçu – A mais popular das frutas entre os amazonenses, o cupuaçu é um dos ingredientes mais versáteis da cozinha local. Com um sabor ácido e marcante, pode ser consumido em forma de suco, geleias, sorvete, cremes, recheio de bombons e em diversas outras receitas. Durante as festas de fim de ano, o cupuaçu sempre marca presença como sobremesa, sendo consumido em forma de cremes e tortas. É a sobremesa perfeita para confraternizar e surpreender os convidados com um prato de sabor único. 

A polpa de cupuaçu pode ser encontrada em supermercados e feiras, já o fruto in natura é mais facilmente encontrado em feiras regionais, com destaque para a tradicional Feira da Banana, na Manaus Moderna.  

Tacacá – Exagerou nas bebidas de fim de ano? Experimente tomar um tacacá! Esse tradicional caldo amazonense revigora e fortifica o corpo, cortando o efeito do cansaço, aquecendo de dentro para fora, deixando o corpo novo em folha em questão de minutos. 

A base do tacacá é o famoso tucupi, um líquido extraído da raiz da mandioca, cozido e fermentado por até cinco dias para virar o molho mais famoso da região Norte. O caldo leva ainda camarão, folhas de jambu e goma de mandioca.

O caldo indígena é facilmente encontrado nas ruas e praças de todo o estado, seja em bancas ou em feiras e com a popularidade do prato o ingrediente pode ser comprado nos grandes supermercados da cidade de Manaus.

Então, que tal aproveitar as dicas e surpreender nas receitas de fim de ano? Aposte na experiência da gastronomia Amazonense!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode gostar

Governo Presente: mutirão de serviços e emissão de RG ocorre na Cidade Nova

Serviços gratuitos de cidadania, empreendedorismo e orientações ao consumidor são algumas das…

Estudo da Arsepam divulga municípios mais procurados pela população no Amazonas

Dados compilados pelo órgão, divididos por calhas de rios, ajudarão na proposta de regulamentação da Lei Estadual n° 5.604

OAB lança campanha nacional de combate ao assédio moral e sexual contra advogadas

A ação envolve o lançamento de um canal de denúncias para advogadas, uma cartilha, além da realização de lives, rodas de conversa e eventos regionais.

Wilson Lima entrega R$ 200 mil em fomento a associações do setor social de Carauari

Ação ocorreu durante início da distribuição do Auxílio Estadual permanente, no Ceti Professor Pedro Alves da Silva