Nas primeiras horas da manhã deste sábado (27/11), a Polícia Civil do Amazonas (PC-AM), por meio das equipes da Delegacia Especializada em Roubos, Furtos e Defraudações (DERFD), deflagrou a Operação Blockchain Fake para cumprir mandados de busca e apreensão e desarticular uma organização criminosa que atua com esquemas financeiros envolvendo criptomoedas de Bitcoin. O prejuízo causado pelo grupo está avaliado em aproximadamente R$ 100 milhões. A ação ocorreu em zonas distintas da capital amazonense.

O prejuízo causado pelo grupo está avaliado em aproximadamente R$ 100 milhões (FOTOS: Erlon Rodrigues/PC-AM).

A operação contou com o apoio do Departamento de Polícia Metropolitana (DPM), Departamento de Repressão ao Crime Organizado (DRCO) e delegacias especializadas em Homicídios e Sequestros (DEHS), Combate à Corrupção (Deccor) e Roubos e Furtos de Veículos (DERFV), além do 16º Distrito Integrado de Polícia (DIP) e das equipes da Coordenação de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Copatri), da Divisão de Capturas e o Garras da Polícia Civil de São Paulo (PCESP), e da inteligência da Polinter da Polícia Civil do Mato Grosso (PC-MT).

Ao longo da sexta-feira (26/11), a operação também foi deflagrada nas capitais Brasília e São Paulo, ocasião em que dois veículos de luxo foram apreendidos, sendo uma Ferrari Spider e uma McLaren, avaliadas em R$ 5 milhões.

Veículos de luxo foram apreendidos (FOTOS: Erlon Rodrigues/PC-AM).

Durante coletiva de imprensa realizada na sede da DERFD, no bairro Alvorada, zona centro-oeste, o delegado-geral adjunto da Polícia Civil, Tarson Yuri Soares, destacou o trabalho realizado pelas equipes policiais, que cumpriram oito mandados de busca e apreensão em zonas distintas de Manaus, e apreenderam diversos objetos da organização criminosa.

“O trabalho da Polícia Civil é esse, de atuar no combate a esses criminosos e levar mais segurança e proteção para a nossa população amazonense”, enfatizou o delegado-geral adjunto.

(FOTOS: Erlon Rodrigues/PC-AM).

O delegado Denis Pinho, titular da DERFD, que coordenou a ação, relatou que as investigações em torno do grupo criminoso iniciaram há cerca de cinco meses. No decorrer da investigação, os policiais descobriram que eles lavavam dinheiro com lojas de veículos importados e simulavam as compras dos carros de luxo.

“Percebemos que eles utilizavam essa manobra, mas nenhum desses automóveis eram colocados no nome deles. Foi uma investigação complexa, pois trata-se de uma matéria nova, em que eles se passavam por investidores de criptomoedas, inclusive utilizando uma rede segura com criptografia para transitar os dados. Os criminosos pegavam o dinheiro das vítimas com a promessa de que o valor cresceria cerca de 10% ao mês, porém, as deixavam no prejuízo”, detalhou o delegado.

Apreensão em Manaus – Foram apreendidos cinco veículos de luxo, avaliados em R$ 6 milhões. Também foram apreendidos notebooks, pendrives, computadores, documentos diversos, caderneta de anotações e dinheiro em dólar e euro. O titular da DERFD destacou que as investigações em torno do caso devem continuar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode gostar

Polícia Militar detém infratores após roubo a lanchonete na zona norte

Foram apreendidas armas, celulares e drogas com os envolvidos

Em ações realizadas nas últimas 24 horas, PMAM prende 10 pessoas em Manaus

Maior parte das prisões foi ocasionada pelos crimes de tráfico de drogas, roubo e porte ilegal de arma de fogo

Impedir acesso de idoso e PcD a ônibus e veículos de aplicativo pode levar à prisão, alerta Delegacia do Consumidor

Vítimas devem formalizar ocorrência na delegacia e buscar reparação na Justiça.