Com o objetivo de garantir o tratamento do câncer de próstata após o diagnóstico, o serviço de Urologia da Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon) realizou 806 cirurgias urológicas entre os anos de 2018 e 2021. Em 2021, de janeiro a outubro, a unidade hospitalar já fez 171 procedimentos cirúrgicos.

Em 2021, de janeiro a outubro, a unidade hospitalar já fez 171 procedimentos cirúrgicos (FOTOS: Laís Pompeu/FCecon e Divulgação/Secom).

Quando descoberto em fase inicial, o câncer de próstata tem mais de 90% de chances de cura, sendo a cirurgia uma opção de tratamento, conforme orienta o gerente do serviço de Urologia da FCecon, urologista George Lins. Por isso, segundo ele, a importância de realizar o rastreio por meio do exame de toque retal e da dosagem sanguínea do Antígeno Prostático Específico (PSA) em homens a partir dos 50 anos de idade. 

A Fundação Cecon, órgão vinculado à Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM), é o hospital referência para o tratamento do câncer de próstata no Amazonas, onde são disponibilizados procedimentos convencionais, como a cirurgia aberta e a laparoscópica para a remoção da próstata – prostatectomia radical. 

Conforme o médico especialista, a cirurgia aberta é a forma tradicional de retirada da próstata, por meio de um corte na região do abdômen, mais precisamente abaixo do umbigo. Já a cirurgia laparoscópica, que é uma abordagem minimamente invasiva, segundo ele, é realizada por pequenas incisões por meio das quais, através de dispositivos chamados trocarteres, são introduzidas as pinças e a câmera para a realização do procedimento com magnificação de imagem.

“A cirurgia minimamente invasiva tem algumas vantagens em relação à cirurgia aberta, que são: diminuição do tempo de permanência no hospital, menor dor pós-operatória e com isso menor necessidade do uso de analgésicos, um retorno precoce às atividades diárias e um melhor efeito estético”, frisa o médico especialista.    

Todo o procedimento cirúrgico envolve riscos e, dependendo do caso, até mesmo complicações previsíveis, segundo o médico especialista, e na cirurgia prostática para tratamento do câncer não é diferente. As duas complicações mais comuns deste procedimento são: disfunção erétil e a incontinência urinária, todavia as porcentagens são muito incertas e variam de paciente para paciente, da técnica cirúrgica empregada e da expertise do cirurgião em realizar esta cirurgia.

“Com os avanços obtidos na técnica cirúrgica, assim como a utilização de novas tecnologias, como a cirurgia robótica, essas complicações têm sido cada vez menos frequentes, possibilitando assim aliar bons resultados oncológicos com bons resultados funcionais. Desta forma, o paciente tem sua doença tratada e curada sem perder a qualidade de vida”, explica o médico especialista.

Números – A Fundação Cecon realizou em 2020 mais de 2 mil atendimentos urológicos, e até setembro de 2021 foram 1.822 atendimentos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar

Amazonas permanece sem óbitos da Covid-19, diz o Boletim da FVS-RCP, neste domingo (21/11)

O boletim diário é construído com as informações disponibilizadas diariamente pelas prefeituras municipais.

FVS-RCP emite novo balanço epidemiológico da Covid-19 no Amazonas, nesta sexta-feira (26/11)

O boletim diário é construído com as informações disponibilizadas diariamente pelas prefeituras municipais

Maternidade Moura Tapajóz convoca doadoras para reposição

Entre em contato pelo número número (92) 99240-8080.

Campeãs indígenas: Irmãs conquistam ouro no Campeonato Amazon Grand Slam de Jiu-Jitsu

As irmãs que treinam desde os 5 e 3 anos de idade, tiveram o incentivo no esporte através dos pais, que são lutadores e, também, possuem uma academia na garagem de casa.