A partir do dia 16 de novembro, as unidades do Ministério Público Federal (MPF) no Amazonas passarão a exigir comprovante de vacinação para todas as pessoas que venham a acessar os prédios do órgão, em Manaus e em Tabatinga. A Portaria nº 136/2021, que regulamenta o acesso às sedes, foi publicada em 11 de novembro e atende às Portarias PGR/MPF nº 110 e PGR/MPF nº 112, da Procuradoria-Geral da República (PGR).

O controle de acesso abrange desde procuradores da República, servidores, estagiários e terceirizados, até advogados, prestadores de serviços e visitantes em geral.

Para atestar a imunização, serão considerados a apresentação do cartão de vacinação ou certificado digital da plataforma do Sistema Único de Saúde – Conecte SUS. Nos casos de contraindicação da vacinação, a pessoa deve apresentar relatório médico que justifique a não vacinação.

Em caso de ausência do comprovante de vacinação, é possível ter acesso às unidades do MPF se forem apresentados testes negativos para covid-19 (RT/PCR ou teste antígeno) realizados nas últimas 72 horas.

Casos excepcionais – A comprovação da vacinação contra a covid-19 ou a apresentação do relatório médico serão exigidos somente aos maiores de 18 anos, salvo divulgação de protocolo em sentido contrário pelo Ministério da Saúde, observada a obrigatoriedade do uso de máscara em qualquer hipótese.

O MPF esclarece que a comprovação de vacinação não exclui a obrigatoriedade de obediência, por toda a comunidade interna e por visitantes, aos protocolos sanitários de prevenção ao coronavírus, como uso de máscara e aferição de temperatura.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode gostar

SES-AM inicia ampliação do acesso ao DIU no interior do Amazonas

Projeto do Ministério da Saúde irá capacitar profissionais de saúde em quatro municípios da Região Metropolitana de Manaus

Wilson Lima anuncia mais 86 leitos exclusivos para Covid-19 e manutenção de cirurgias eletivas no HPS Delphina Aziz

Serão mais 56 leitos clínicos e 30 de UTI ativados para pacientes diagnosticados com o novo coronavírus