Foto: Divulgação / Implurb

Uma série de obstruções construídas ao longo da estrutura da rede de esgoto, calçadas e meios-fios da rua Hibisco, no Distrito Industrial II, zona Sul, foi demolida administrativamente, nesta quarta-feira, 27/10, em uma ação de correção urbana da Prefeitura de Manaus, por meio da integração entre o Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb),  Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf), Guarda Municipal e Grupo de Operações Especiais (GOE), Polícia Militar, Instituto Municipal de Mobilidade Urbana (IMMU) e Grupo Integrado de Prevenção às Invasões em Áreas Públicas (Gipiap).

Foto: Divulgação / Implurb

Além de denúncias sobre problemas com escoamento de águas pluviais e alagamentos provocados na via pelas obstruções, as construções irregulares e não passíveis de regularização também resultaram em uma notícia de fato no Ministério Público do Amazonas (MP-AM).

Na Hibisco foram demolidos nove muros e muretas, além de outras seis obstruções entre meio-fio e a via pública. Dezenas de paletes que estavam obstruindo os logradouros e passagens também foram retirados pelos proprietários, para deixarem as calçadas livres.

“Obstruções como as encontradas na rua Hibisco prejudicam a comunidade, causando prejuízo aos próprios moradores e comerciantes que as construíram. A área pública não é propriedade de uma pessoa. Ela é de todo mundo, pertence à sociedade, à cidade. E geralmente possui uma função social, e todos devem respeitar. Quando existe uma invasão, ocupação, construção, obstrução indevida, nada mais é do que privar o uso coletivo. Tira-se o uso de um bem público para o privado e ainda se prejudica o ambiente, provocando alagações, por exemplo”, explica o vice-presidente do Implurb, arquiteto e urbanista Claudemir Andrade.

As obstruções de calçadas e logradouros públicos correspondem a 50% de todas as notificações da prefeitura, de janeiro a setembro de 2021, conforme registros do Implurb, dentro da Gerência de Fiscalização de Postura (GFP).

A fiscalização também encontrou construções irregulares avançando para o passeio público, que foram alvo de demolição, tanto em alvenaria quanto em metal e boxes.

Números

De janeiro a setembro deste ano, o Implurb fez 1.134 notificações da GFP, sendo que nos mesmos meses de 2020, ocorreram apenas 470 notificações, uma alta de 141%, incluindo obstruções irregularidades com ocupações em calçadas, boxes, avanços para a via pública, fechamento de rua, entre outros.

Para Claudemir Andrade, é necessário que a população seja mais consciente quanto ao uso do que é público, não tomando áreas de uso coletivo para benefício particular.

Além da conscientização, o Implurb tem autuado e combatido mais fortemente invasões e obstruções de logradouros, calçadas e áreas públicas ou até mesmo não permitidas para construção, incluindo áreas verdes e de preservação ambiental.

Atendimento

No Implurb, em razão da prevenção à Covid-19, foi montado um serviço de plantão para as fiscalizações para casos mais urgentes. Denúncias sobre obras irregulares e afins são atendidas após formalização por e-mail para o diskordem.implurb@pmm.am.gov.br ou ouvidoria.implurb@pmm.am.gov.br.

O Plano Diretor de Manaus define que os passeios e logradouros públicos devem ser mantidos em bom estado de conservação pelo proprietário do lote, de forma a permitir, com acessibilidade, o trânsito de pedestres e cadeirantes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode gostar

Avenida Samaúma é interditada para obras; Veja nova rota

A Prefeitura de Manaus, por meio do Instituto Municipal de Mobilidade Urbana (IMMU),…

Com 172 medalhas, estudantes do Amazonas lideram Olimpíadas de Matemática no Norte

Olimpíada de Matemática reuniu 17,7 milhões de estudantes no país; participação de municípios…

Emissão e recarga de cartões de ônibus é suspensa para atualização de sistema, avisa Sinetram

Com o objetivo de melhorar o desempenho dos sistemas, o Sindicato das…