Foto: Tânia Brandão / Semsa

A Maternidade Municipal Moura Tapajóz (MMT), gerenciada pela Prefeitura de Manaus, está com o estoque de leite humano baixo e precisa de doações. Para facilitar a coleta, a unidade de saúde disponibiliza o número (92) 99240-8080, pelo qual as mulheres com excedente de leite materno, inclusive as que não tiveram seus filhos na MMT, podem agendar a coleta domiciliar.

Foto: Tânia Brandão / Semsa

A coleta é feita pela equipe da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), que no período de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, se desloca até as casas das doadoras. A equipe é composta por um técnico de enfermagem, um motorista e dispõe também de um veículo, utilizado para a coleta de leite no domicílio.

A enfermeira Lilian Regina Aguiar de Carvalho, responsável pelo Posto de Coleta de Leite Humano da MMT, reforça que a doação de leite é um ato de apoio e amor às crianças que precisam do alimento.

“Nós agradecemos muito às mulheres que fazem doação de leite, um alimento fundamental que protege as crianças de uma série de problemas. Esse apoio é muito importante principalmente para resguardar a vida das crianças prematuras, que apresentam uma série de fragilidades que podem ser revertidas com o consumo do leite materno. Por isso nós fazemos esse apelo para que as mães se sensibilizem”, afirma.

Na Maternidade Moura Tapajóz, o posto de Coleta de Leite Humano, chamado de “Cantinho da Amamentação”, funciona como suporte para as puérperas e mulheres que estão amamentando naquela unidade.

Lílian explica que o leite doado é destinado à alimentação dos recém-nascidos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e na Unidade de Cuidados Intermediários (UCI) da maternidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode gostar

Prefeitura de Manaus anuncia construção de base metropolitana do Samu e reformas de UBSs através de emenda federal

A zona rural também será beneficiada com os recursos.

Em 5 anos, Programa de Diagnóstico Precoce do Hemoam identifica 98 casos de leucemia aguda no interior

O programa repercutiu no aumento de 30% do diagnóstico de leucemia no interior